• capacitação do agricultor
  • 29.10.2016
  • Por Meu Agronegócio

Capacitação do agricultor no ensino superior se reflete na gestão da fazenda

Quem atua no agronegócio sabe que está diante de um mercado altamente competitivo. Lidar com fornecedores, estimar e negociar custos, elevar a produtividade, se destacar frente à concorrência e tomar decisões que podem afetar o futuro da fazenda são desafios comuns e diários. Para vencê-los, a capacitação do agricultor é fundamental.

Por que se capacitar com o ensino superior

 

A capacitação do agricultor no ensino superior é especialmente voltada à formação de gestores. Se o nível técnico permite organizar e analisar informações, a graduação vai além e possibilita trabalhar os dados na prática, resolvendo a partir deles equações fundamentais para o futuro da fazenda.

 

Mas um curso superior não é longo demais e com uma visão bastante acadêmica? Se esse for o receio do agricultor, é importante entender que, diferentemente de um bacharelado ou licenciatura, a formação tecnológica possui conteúdo profissionalizante, com a expectativa de prover o aluno da capacidade de atuação imediata.

 

Maria Cristina Ferreira, coordenadora de Educação Formal do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), esclarece que 70% do currículo de um curso que forma tecnólogos precisa trazer aspectos vinculados à atuação profissional.

 

Também a sua duração é menor que os demais. O Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio, ofertado na modalidade presencial, com aulas na Faculdade de Tecnologia CNA, em Brasília (DF), tem 1.920 horas/aula, divididas em três anos de estudos.

 

Na matriz curricular (leia a íntegra em PDF), estão previstas disciplinas que abordam gestão financeira e de projetos, estratégia de liderança e negociação, tecnologia e inovação, planejamento estratégico rural, marketing, formação de preços e comercialização, entre outras.

 

Para Maria Cristina, a capacitação deve ser uma busca de proprietários rurais de todas as idades e perfis, desde jovens que integram novas gerações de agricultores até veteranos que irão se favorecer da atualização. “Há uma necessidade de mecanização no campo, forçando as pessoas a mudar algumas rotinas. E, para isso, precisam se qualificar ou trazer profissionais qualificados”, diz.

 

O entendimento da coordenadora do Senar vale também para outros cursos de graduação, como aqueles voltados às áreas de economia, administração de empresas e engenharia agronômica, assim como para especializações no nível de pós-graduação ou em cursos de extensão.

A importância da capacitação do produtor rural

 

Sua fazenda é uma empresa, e você, o empreendedor. Ao assumir seu papel de gestor do negócio e responsável pelos seus rumos, entende que as decisões passam obrigatoriamente por você. E elas são amplas, envolvendo gestão de custos e de pessoas, além de negociações cada vez mais complexas para a compra de máquinas e insumos agrícolas.

 

Analisando por esses aspectos, a importância de capacitação do agricultor rural fica bastante clara, mas é preciso se convencer dela. Um produtor mais jovem pode acreditar que novas ideias e motivação para trabalhar resolvem todos os problemas da propriedade, assim como um veterano pode pensar que a teoria não substitui tudo aquilo que aprendeu na prática.

 

Se há alguma identificação com esse tipo de entendimento equivocado, pare, pense e reflita: conhecimento não ocupa espaço e, no agronegócio, o aprendizado é diário, e a necessidade de atualização, permanente.

 

Você está pensando em fazer uma capacitação voltada ao agronegócio? Comente.