• Pesquisa agropecuária
  • Centro-Oeste
  • 13.12.2016
  • Por Meu Agronegócio

Conheça 5 novas soluções e projetos da pesquisa agropecuária brasileira

pesquisa agropecuária brasileira

Há pouco mais de 40 anos, o Brasil vivia uma situação de insegurança alimentar. O que aconteceu para, décadas depois, vivermos o inverso? Se hoje estamos entre os principais produtores de alimentos do mundo, muito se deve à pesquisa agropecuária brasileira, sobretudo após 1973, quando foi criada a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

A partir da pesquisa científica, a entidade, vinculada ao Ministério da Agricultura e Pecuária, inovou e estabeleceu as bases para o desenvolvimento da agricultura tropical. Entre os principais projetos levados a cabo pela Embrapa está a transformação do solo no cerrado, região na qual o agronegócio brasileiro se mostra mais forte.

Mesmo com essas conquistas, a pesquisa agropecuária brasileira segue avançando para tornar o setor cada vez mais competitivo em um mercado tão globalizado. De acordo com pesquisa da Embrapa em parceria com o Instituto Internacional de Pesquisa em Políticas Alimentares (IFPRI), o Brasil é o país da América Latina que mais investe em pesquisa agrícola.

Projetos da pesquisa agropecuária brasileira

Para demonstrar como a pesquisa brasileira ainda segue apresentando soluções inovadoras para o agronegócio, preparamos uma lista com 5 soluções e projetos que foram ou estão sendo desenvolvidos no país. Confira:

1. Drone para monitorar pragas e doenças

Um projeto da Emater de Goiás visa utilizar drones para diagnosticar doenças e pragas nas plantações. Para isso, o drone, ou veículo aéreo não tripulado (VANT), carrega uma câmera, sobrevoa a lavoura e capta imagens, que são analisadas por meio de visão computacional. Saiba mais no site da Embrapa.

2. Herbicida natural

Uma das bandeiras da Embrapa é o desenvolvimento de métodos de controle biológico contra pragas. Entre os projetos em andamento está o estudo de fungos fitopatogênicos para combater ervas daninhas pelo método micro-herbicida. Por enquanto, não há nenhum herbicida biológico registrado no Brasil.

3. Trigo melhorado

A produção brasileira de trigo, concentrada principalmente no sul do país, é insuficiente para atender a demanda interna, como mostram números da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Para reverter a situação e diminuir a necessidade de importação, a Embrapa desenvolveu variedades geneticamente melhoradas da cultura, entre elas o grão BRS 394, que tem alta qualidade industrial voltada à panificação e grande potencial de produtividade.

4. Cafés clonais

Outra cultivar (variedade de planta melhorada devido à alteração de suas características pelo homem) que prova a preocupação da Embrapa com a transferência de conhecimento para o setor produtivo é o café clonal, que está sendo desenvolvido em Rondônia.

Trata-se de um híbrido resultante do cruzamento de plantas de café canéfora do grupo robusta com outras do grupo conilon. O objetivo é chegar à seleção de clones altamente produtivos. Até agora, os resultados dos testes têm sido surpreendentes.

5. Sensor para rega automática

Para finalizar, apresentamos uma tecnologia desenvolvida pela Embrapa que não é destinada às grandes produções, para você ver que o trabalho desenvolvido pelo órgão pode ser aplicado até na sua casa. São as hastes de irrigação Ingstat, que proporcionam a rega automática de plantas em vasos, jardins e fruteiras, a partir de um sensor de tensão de água no solo.

Lembrou de outra inovação recente da pesquisa agropecuária brasileira que não está aqui? Deixe um comentário abaixo, fale sobre ela e contribua com o conteúdo.