• Raul Randon
  • 30.10.2016
  • Por Meu Agronegócio

Raul Randon dá aula de empreendedorismo rural

Dizer que o empresário e agricultor gaúcho Raul Randon tem muito a ensinar sobre empreendedorismo rural não chega a ser novidade – ele já foi até premiado nacionalmente por isso. Mas a visão de gestão é mesmo a sua marca. Entre outros cultivos, ele planta maçã, uva, olivas e grãos, produz vinho, azeite e queijos, além de ser sócio-fundador de uma grande empresa de implementos rodoviários que carrega seu sobrenome.

O empreendedor Raul Randon

Raul Anselmo Randon, 87 anos, herdou do pai o interesse pela agricultura e construiu também no campo uma bonita história de empreendedorismo. A primeira experiência se deu com o plantio de 20 mil pés de nogueira-pecã em Encruzilhada do Sul (RS). Já a ligação com a maçã começou em 1976, em uma área de 200 hectares em Vacaria, na Serra Gaúcha.

A primeira colheita acabou bastante prejudicada pelo clima: geada, estiagem de 60 dias e, por fim, uma chuva de granizo formaram um cartão de visitas capaz de assustar qualquer produtor iniciante – mas não Randon. Ele vendeu os frutos que sobraram e conseguiu pagar a produção: não lucrou, porém não teve prejuízo.

Certo de que as intempéries não se repetiriam de forma tão severa, ele não apenas manteve a produção como plantou mais 300 ha. E teve tanto sucesso que levou suas maçãs para outras cidades, como Caxias do Sul e Lagoa Vermelha.

Hoje, concentra seu plantio em Vacaria, tem cerca de 1.100 ha plantados da fruta e produz cerca de 50 mil toneladas por ano. Eventualmente, ainda enfrenta problemas com o clima (como a perda de quase metade da produção pelo granizo, há dois anos), mas nada que abale seu tradicional bom humor.

Muito além das maçãs

Raul Randon é também um colecionador de troféus. São mais de 200 prêmios nacionais e internacionais, entre eles o de Empreendedor da Década, recebido no ano passado, em cerimônia promovida em São Paulo pelo Grupo de Líderes Empresariais (LIDE).

Os mais recentes foram recebidos durante a tradicional feira Expointer, em Esteio (RS), no mês de agosto. Na oportunidade, ele foi homenageado com a Medalha Assis Brasil e o prêmio Gente do Campo, que reconheceu seu papel de inovação na agricultura – o que vai muito além do plantio de maçãs.

As primeiras videiras de uva, da qualidade Esmeralda, foram cultivadas no ano 2000 em uma área de 30 ha também em Vacaria. Anos depois, fez um acordo com a vinícola Miolo para produção de um vinho especial para celebrar 50 anos de casado e, desde então, tem também sua própria marca da bebida.

Já as olivas, ou azeitonas, são um projeto audacioso sobre uma cultura pouco cultivada no Brasil. Há cerca de sete anos, ele iniciou com apenas meio hectare, depois plantou 35 ha e tem como meta chegar a 300 ha. Tudo é destinado à fabricação de azeite de oliva, cuja produção nacional é baixíssima – ele estima que não chegue a 2% do consumo.

Mas seu trabalho no agronegócio não para por aí: soja, trigo e milho também são culturas representadas em suas lavouras. E tem ainda a criação de gado leiteiro, a produção de leite e a fabricação de queijo tipo grana. Randon é mesmo um empreendedor visionário.

Passado, presente e futuro

Do começo de instabilidade do clima ao momento atual de grandes negócios, Raul Randon enfrentou muitas situações adversas para alcançar seu patrimônio atual (veja a relação de suas propriedades abaixo). Nesses anos, vivenciou muitas mudanças na agricultura e teve de se adaptar.

Hoje, mesmo com quase nove décadas vividas, tenta se manter por dentro das novas tecnologias, conhece máquinas que muito facilitam a rotina no campo, se cerca de técnicos especializados em cada área de cultivo e não deixa de acompanhar tudo de perto – o que faz muitas vezes ao lado do genro, que é quem deve sucedê-lo na terra, enquanto os filhos ficarão na indústria.

Não por acaso, tem nas duas áreas que investe a certeza da perpetuação dos negócios da família. “O que penso disso tudo é que no mundo há duas coisas que nunca vão parar: o transporte e a comida. Se produz comida, tem que transportar. E ninguém vai parar de comer”, finaliza.

Propriedades de Raul Randon

Fazenda São Luis: total de 2.000 ha, sendo 450 ha de maçãs, 400 ha utilizados na fazenda de leite para recria e produção de alimentos para vacas, 950 ha para produção de grãos e 200 ha de área de preservação.

Fazenda Guabiju: total de 320 ha, sendo 260 de pomares de maçãs e 60 ha de área de preservação.

Fazenda São Paulino: total de 800 ha, 450 ha de maçãs, 50 ha de videiras e 300 ha de área de preservação.

Fazenda Muitos Capões: total de 200 ha, 30 ha de videiras, 30 ha de oliveiras, 100 ha de lavouras e 40 ha de área de preservação.

Gostou de conhecer a história de Raul Randon? Deixe um comentário.