• Rotação de culturas
  • Norte
  • 01.11.2016
  • Por Meu Agronegócio

Por que e como fazer a rotação de culturas na plantação

Rotação de culturas

O sistema de plantio direto, aliado à rotação de culturas, é uma prática cada vez mais estimulada ao produtor rural brasileiro. Com ela, o agricultor preza pela conservação do solo, da água e da biodiversidade, e ainda por cima vê benefícios para a sua produção, como maior estabilidade, menor incidência de pragas e menores custos com defensivos.

A rotação de culturas é uma forma de manejo que consiste em alternar diferentes culturas em uma mesma área, na mesma estação do ano. É diferente, portanto, da sequência ou sucessão de culturas, prática na qual um produto é cultivado na área total em determinada estação do ano, substituído por outra cultura na estação seguinte.

Assim, após a colheita, a área permanece com uma cobertura verde, que serve como palhada na superfície do solo, adubando a próxima plantação, reciclando os nutrientes e reduzindo os gastos com fertilizantes e herbicidas.

“Um sistema adequado de rotação de culturas está relacionado à possibilidade de repetição de uma espécie somente quando seus restos culturais não mais estiverem presentes no local considerado”, explica Antonio Luiz Fancelli, docente do Departamento de Produção Vegetal da USP/ESALQ, no artigo Pesquisas certificam espécies para rotação de culturas, publicado na revista Visão Agrícola.

Por que fazer a rotação de culturas

Uma propriedade destinada à monocultura pode ver seu solo sujeito a alterações de ordem química, física e biológica, o que compromete a estabilidade do sistema produtivo. Sem a cobertura verde permanente, a terra sofre com a erosão, com a diminuição do teor de matéria orgânica, com a redução da atividade biológica e com o aumento de pragas e plantas daninhas.

Ou seja, optar pela rotação de culturas é uma maneira de melhorar o rendimento das plantações, diminuir a dependência do clima e conservar as propriedades do solo. O ônus é que essa prática exige um planejamento mais cuidadoso e mais picos de trabalho e pode culminar em dificuldades na comercialização e acesso ao crédito, por conta da produção de culturas de menor expressão econômica.

Como alternar as culturas?

Um planejamento de plantio direto com rotação de culturas não deve ser feito na tentativa e erro. O progresso do conhecimento científico exige um constante estudo e reexame dos modelos desenvolvidos. Por isso, o trabalho deve ser coordenado por um engenheiro agrônomo competente e atualizado.

A rotação ideal vai depender de fatores naturais, como o clima, solo e topografia; fatores técnicos, como a disponibilidade de máquinas e sementes e conhecimento técnico; e questões econômicas, como a possibilidade de comercialização, disponibilidade de recursos e incentivos ao plantio.

Mas algumas sucessões recomendadas e restritas já são conhecidas, conforme a tabela abaixo, preparada por Antonio Luiz Fancelli e publicada na revista Visão Agrícola. Confira:

Tabela Rotação de Culturas

Entendeu como funciona a rotação de culturas? Se ainda tem dúvidas sobre o assunto, deixe um comentário abaixo.