• inovações tecnologicas
  • 29.10.2016
  • Por Meu Agronegócio

Startups promovem inovações tecnológicas no agronegócio

Cada vez mais os produtores brasileiros têm se dado conta de que investir em tecnologia compensa. Já os empreendedores antenados em tecnologia, por sua vez, percebem que o agronegócio é um amplo nicho de mercado, capaz de render muito dinheiro para quem consegue desenvolver uma boa ideia. Por isso, várias inovações tecnológicas destinadas ao setor têm surgido no Brasil.

Em entrevista publicada em julho pela Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), Maikon Schiessl, empreendedor e diretor do Comitê de Agrotech da Associação Brasileira de Startups (ABStartups), afirmou que a expansão das empresas de tecnologia relacionadas ao agronegócio foi de 70% nos últimos cinco anos.

“Dados da ABStartups mostram que, hoje, são 4.180 empresas cadastradas em todo o país. No agro, são 23 empresas, mas existem outras áreas relacionadas, como meio ambiente, com 14 empresas, por exemplo”, disse.

Monsanto atenta às inovações tecnológicas

Schiessl cita a venda da Climate Corporation (companhia americana que provê dados e análises sobre clima e solo para os agricultores), para a Monsanto, em 2013, por quase US$ 1 bilhão, como um acontecimento que desencadeou maior interesse em tecnologias como a agricultura de precisão.

A mesma Monsanto anunciou, em julho, a entrada no fundo Brasil Aceleradora de Startups, dando nova prova de que está atenta às inovações tecnológicas no agronegócio. Já a BASF, junto com a aceleradora ACE, lançou o AgroStart, programa de aceleração voltado para startups do agronegócio, iniciativa pioneira na América Latina.

Startups brasileiras do agronegócio

As inovações tecnológicas desenvolvidas no Brasil para tornar o ecossistema do agronegócio mais eficiente são variadas. Elas atendem desde o início do processo, com soluções que ajudam na gestão da produção e combate a pragas, passando pelo rastreamento do produto na cadeia produtiva e chegando até os seus passos finais rumo ao consumidor final. Algumas soluções são desenvolvidas após muita pesquisa, e outros são aplicativos mais simples.

A Strider desenvolveu um software para monitorar em tempo real as pragas e doenças das lavouras. Para combatê-las, há várias empresas que desenvolvem, a partir da biotecnologia, produtos e agentes predadores. A Rizoflora aposta em um nematicida composto com alta concentração do fungo Pochonia chlamydosporia, enquanto a BUG e a Promip produzem vespas, ovos e ácaros predadores.

Veja outros exemplos de empresas de tecnologia do agronegócio:

Aegro: software de gestão intuitivo dedicado aos produtores rurais.

Organomix: loja virtual dedicada exclusivamente à venda de produtos orgânicos e alimentos saudáveis.

Osalim: sistema que faz a mediação entre agricultores e fornecedores de insumos agrícolas diversos.

Fine Instrument Technology (FIT): desenvolve o SpaceFit, um equipamento de ressonância magnética que mapeia em segundos a composição química e física de produtos como grãos e frutas.

Control Milk: sistema integrado para a gestão zootécnica e financeira de produtores leiteiros.

Agra: software de monitoramento e análise de informações meteorológicas e modelagem agronômica.

XMobots: fabrica drones para geração de imagens e mapeamento e controle do território.

Safe Trace: especializada na rastreabilidade da cadeia produtiva da carne.

CheckPlant: solução para a rastreabilidade da produção agrícola em geral.

Agroinova: softwares para os piscicultores e pecuaristas.

O que achou das inovações tecnológicas no agronegócio? Deixe um comentário abaixo com a sua opinião.